scj.org.br

PT

ES

 

Somos do
Coração
de Jesus

"Por Ele vivi, por ele morri". (Pe. Dehon)
Nossa congregação nasceu do Coração de Jesus, no coração da Igreja, para o coração do mundo. Em 1878, Pe. João Leão Dehon, sacerdote francês, atento ao apelo do Espírito, depois de perceber em seu coração haver recebido a graça e a missão de enriquecer a Igreja com uma nova Congregação, diz seu “Eis-me aqui” e funda os Oblatos do Coração de Jesus, hoje, Congregação dos Padres do Sagrado Coração de Jesus. Duas palavras nos são particularmente caras: oblação e reparação. Oblação significa entrega. E nós entregamos a nossa própria vida a Deus, mas não o fazemos sozinhos... Unimo-nos à oferta que Cristo faz de si mesmo ao Pai. Oblatos que somos, oferecemos nossa vida, nossas ações, nossos trabalhos, estudos, alegrias, sofrimentos e esperanças como reparação pelos males do mundo. Em outras palavras, nos unimos a Cristo em sua missão de restaurar a humanidade, ferida pelo pecado e pela injustiça. O coração representa o amor, o afeto, a entrega incondicional. Somos homens do coração, porque somos antes do Coração. Bebemos com alegria da fonte do Coração de Jesus e o amor que experimentamos dele, e partilhamos na vida fraterna, estendemos à humanidade. Hoje ofertamos nossa vida em mais de quarenta países e somos mais de 2.400 religiosos. Estamos onde o “hoje de Deus” nos pede estar, trabalhando com o apostolado paroquial, com a comunicação, educação, missão ad gentes... Onde há algo a reparar, aí estamos e estaremos nós, reparadores!
Somos do
Coração 
de JesusSomos do
Coração 
de JesusSomos do
Coração 
de JesusSomos do
Coração 
de Jesus
 
  • Vocacional

    O acompanhamento vocacional consiste em um mútuo conhecimento. A Congregação conhece o vocacionado, ainda que superficialmente, e o vocacionado conhece a Congregação. Juntos, vocacionado e Congregação, se põem à escuta da voz de Deus, na busca de identificar qual é a Sua vontade. Não se trata de simplesmente sondar qual é a vontade do vocacionado ou da Congregação, mas acolher e aceitar os sinais que Deus sutilmente lhes dá.

  • Ensino médio

    Vivido o processo de acompanhamento vocacional, o vocacionado é convidado a dizer o seu primeiro “sim”. Hoje nossa província acolhe candidatos ao ensino médio e também aqueles que já o concluíram. Esta primeira etapa da formação inicial é o momento em que são lançados os alicerces para o caminho que o vocacionado vai percorrer. Todos os seminaristas têm formações internas, que visam oferecer ferramentas para o autoconhecimento.

  • Filosofia

    A etapa da filosofia também é conhecida como etapa de discipulado. Supõe-se que o seminarista, com base no que aprendeu na etapa anterior, já tenha maior convicção de sua opção por Jesus e disposição em assumir a “disciplina” de um discípulo. Os conhecimentos filosóficos ajudam o seminarista a conhecer-se, a pôr-se em contato com as mais diferentes linhas de pensamento e a madurar a sua fé.

  • Postulantado

    Postular significa pedir. Depois das etapas precedentes, com base em tudo o que o seminarista viveu e conheceu da Congregação, agora pedirá oficialmente ingresso em nosso instituto. O postulantado é um período fortemente marcado pelo autoconhecimento.O postulante vive nesta etapa um processo de conhecer com maior propriedade a congregação, a vida do fundador, os aspectos próprios que caracterizam nosso “ser dehoniano”.

  • Noviciado

    O noviciado tem a duração canônica de um ano e é um período decisivo da formação. As formações no noviciado englobam a história da vida religiosa, a teologia dos votos, o estudo da Regra de Vida e do Diretório Espiritual. Assistidos por um mestre, os noviços vivem com intensidade a busca por configurar-se ao Mestre (com maiúscula): encontrar as motivações necessárias para professar os votos e aderirem a Cristo. Após um ano, sai de lá religioso do Coração de Jesus.

  • Tirocinio

    Tirocínio é um período de experiência de vida comunitária e de ação pastoral. O neoprofesso, o novo religioso do Coração de Jesus, vai para uma comunidade da Congregação e aí é convidado a ser sinal do amor de Deus. Neste período, o professo de votos temporários (a quem chamamos “frater") sai da estrutura de uma casa de formação e vai viver sua formação aplicando o já aprendido na missão que Deus lhe confia.

  • Teologia

    A teologia, também conhecida como etapa configurativa, é a etapa na qual o religioso põe-se em contato com o pensamento teológico. Deve conciliar com a vida de estudos a sua opção por Jesus, configurando-se a Ele. É o tempo de preparar-se também para a recepção dos ministérios, da profissão perpétua e, no caso dos que aspiram ao sacerdócio ministerial, da ordenação presbiteral.

  • Formação permanente

    A formação inicial se encerra no momento da profissão perpétua. Desde a profissão perpétua, o religioso vive uma etapa ainda mais longa, dado que nunca tem fim: a formação permanente. Considerando que “formar-se” significa “dar forma”, o religioso, que nunca está totalmente acabado, continua seu processo formativo na escola do coração de Jesus. A formação permanente visa cultivar nos religiosos esse sentimento de atualização, de conhecer as novidades da Igreja e do Mundo.

VIDA
CONSAGRADA

Somos religiosos consagrados. Isto significa que buscamos viver com radicalidade as promessas que assumimos em nosso Batismo, sendo sinal na vida do mundo. Vivemos segundo nossa Regra de Vida, abraçando a vida comunitária e professando os votos de Castidade, Pobreza e Obediência. Em um mundo de libertinagens, somos castos; em um mundo de ganância, somos pobres; em um mundo marcado pelo egoísmo e pelo arbítrio, somos obedientes. Por nosso mérito? Não... Por nosso esforço, sim, mas generosamente assistidos pela graça de Deus. Um religioso é um apaixonado por Cristo, Ele é o esposo com o qual nos unimos e a quem dedicamos toda a nossa vida. Para quê? Para nos assemelharmos mais a Ele, amarmos como amou, vivermos como viveu e agirmos como agia. No amor infinito do Deus-Amor encontramos um tesouro que a nenhum outro se compara.
 

PRÓXIMOS
ENCONTROS
VOCACIONAIS

23 a 24 ABR
20 a 21 AGO
29 a 30 OUT
Quero ser padre
 
 
  • Júlio César, Seminarista Propedêuta, 29 anos, Rio do Sul-SC
    Escolhi ser dehoniano para corresponder em prontidão o ir e sair ao encontro do povo, na vida fraterna, onde Deus me convida estar. Deus insiste em repetir em nossa vida o chamado em segui-lo. Eis que encontrei em seu Coração Sagrado, na oblação e reparação, o caminho para seguir minha vocação e ser apoio para aqueles que precisam encontrar abrigo e descanso ao carregar sua cruz.

    Júlio César, Seminarista Propedêuta, 29 anos, Rio do Sul-SC
     
  • Matheus José dos Santos, Seminarista Filósofo, 25 anos, Joinville-SC
    Dado momento da minha vida, pensei: onde é o meu lugar na vontade de Deus? Ele tinha pensando em um lugar único e especial. Esse lugar é tão concreto quanto a vida que levo hoje. Hoje é a Congregação dos Padres do Coração de Jesus. O lugar da vontade de Deus é no Coração de Jesus! É no seio desse carisma, de amor e reparação, que encontro de fato o esse lugar.

    Matheus José dos Santos, Seminarista Filósofo, 25 anos, Joinville-SC
     
  • Iago Mafra Cunha, Postulante, 21 anos, Itajaí-SC
    “Escolher um caminho a seguir, é atender um chamado. Chamado este, de ser dehoniano, abandonar-se nos propósitos de Deus. Ser Dehoniano é quanto menos esperar aceitar ao chamado de ser evangelho vivo do amor de Cristo. Fazendo com que isto, seja conciliado a cruz e o amor, para que estejam juntos, desta maneira, suavizando a cruz dos sofredores, assim, fazendo de um amor que se converta em reparação.

    Iago Mafra Cunha, Postulante, 21 anos, Itajaí-SC
     
  • Djonatan Engelmann, Noviço, 27 anos, Guaramirim-SC
    Ser dehoniano é ser presença, se colocar à serviço do reino do Coração de Jesus, doando-se ao próximo. É ter a hospitalidade de Marta e a serenidade de Maria para acolher o bom Mestre que se figura no outro. É dispor os dons recebidos para o bem da comunidade, do próximo! É comprometer-se com o bem-comum. É renovar o sim diariamente através da doação, do compromisso e da disponibilidade. Ser dehoniano é construir o céu aqui na terra!

    Djonatan Engelmann, Noviço, 27 anos, Guaramirim-SC
     
  • Frater Honaycon Gonçalves, scj, Frater Tirocinante, 27 anos, São João Batista-SC
    Ser Dehoniano é ser uma oblação viva de amor e de reparação ao Coração de Jesus, que é a graça do tempo presente e do futuro. Oferecemo-nos ao Coração de Cristo como vítimas da sua santa vontade e sempre em união com Santíssima Virgem Maria e a partir do Carisma infundido no coração do nosso pai fundador Padre Dehon.

    Frater Honaycon Gonçalves, scj, Frater Tirocinante, 27 anos, São João Batista-SC
     
  • Fr. Leonardo Jacomelli, scj, Frater Teólogo, 28,
    “Deus é amor e quem ama permanece no amor e Deus permanece nele. (1Jo 4,16). Ser dehoniano é viver como São João, íntimo do Coração de Jesus. É viver e fazer o ordinário da vida, em espírito de amor e reparação, assim tornando nossa vida oblata uma extraordinária declaração de amor ao Coração de Jesus.

    Fr. Leonardo Jacomelli, scj, Frater Teólogo, 28,
     
 
 
X
QUERO
SER
PADRE